Startups de tecnologia para construção civil: um mundo em ebulição

22 de novembro de 2017, Nenhum comentário

Autor: Maurício Bernardes (engenheiro civil pela UNICAMP, especializado na área de administração de empresas pela FGV-SP, com mestrado na área de tecnologia e gestão da produção pela POLI – USP)

Diariamente somos surpreendidos por novas formas de enxergar o mundo e de superar os desafios da sociedade, com soluções que até bem pouco tempo pareceriam ficção. A capacidade inventiva do ser humano para tornar os processos mais eficientes e lidar com a escassez de recursos é realmente maravilhosa e, quando associada ao objetivo de tornar o planeta mais sustentável, impulsiona efetivamente o nosso progresso.

Assim também tem acontecido na engenharia, com novas formas de projetar e construir, mais seguras, mais equilibradas, e com melhores níveis de desempenho.

Para ilustrar as novas fronteiras da construção civil, a CBInsights, que atua na avaliação de tendências sob a ótica da inovação, publicou recentemente uma lista com 100 startups de tecnologia para construção civil com potencial de influenciar as práticas do mercado nos próximos anos. Associando tendências de investimento de fundos com vocação para inovação, patentes, dados de websites, notícias em veículos não convencionais, a plataforma reuniu em 13 categorias, com aplicação de conceitos de TI, as principais tendências de inovação para a construção civil, traduzidas em novas ferramentas de projeto, uso de robôs, drones, compartilhamento de recursos, realidade virtual (VR), realidade aumentada (AR), gestão de riscos, entre outros.

Na área de robótica, 4 startups se destacaram. A sueca CBOT, que trabalha com plataformas para mobile está desenvolvendo solução automatizada para assentamento de placas de revestimento de piso.

Já a americana Construction Robotics, trabalha com robôs para execução de alvenarias, com apoio de pedreiros, que ficam responsáveis pelo abastecimento de argamassa e de blocos ao equipamento, além de responderem pelo acabamento das juntas. Instalado sobre uma plataforma elevatória, o robô tem sensores que permitem o seu movimento através de rodas ao longo da plataforma.

O robô da empresa, apelidado de SAM100, do inglês (Semi-Automated Mason), monitora a distância entre a plataforma sobre a qual está instalado e a parede, e corrige seus movimentos para compensar oscilações naturais que acontecem em plataformas suspensas. Com uma produtividade 6 x maior do que a de um pedreiro, aplica a argamassa aos blocos antes de realizar o assentamento.

Após a instalação da plataforma, o robô deve ser parametrizado a partir dos eixos de referência da obra, para permitir a execução das paredes no plano correto, e ao mesmo tempo, permitir que acate informações de projetos, como a execução dos vãos para janelas na devida posição.

Leia na íntegra: https://www.cadeiadaconstrucao.com/single-post/2017/09/22/STARTUPS-DE-TECNOLOGIA-PARA-CONSTRU%C3%87%C3%83O-CIVIL-UM-MUNDO-EM-EBULI%C3%87%C3%83O

Compartilhe essa notícia: